Bijuteria-Cuidada

As bijouterias, assim como as joias, precisam de alguns cuidados especiais quando se trata da organização e limpeza delas. Embora muita gente não saiba, elas não podem ser organizadas de qualquer maneira, muito menos serem acomodadas em qualquer espaço. Também é preciso ter alguns cuidados no que se refere ao próprio uso no dia a dia.

Uma prática que é muito comum é deixar as bijouterias guardadas em caixas. No entanto, vale sempre lembrar que elas não podem ser armazenadas em qualquer tipo de caixa. As caixas devem ter compartimentos de separação, de diversos tamanhos, bem como precisam ser forradas com veludo, ou material similar. Isto evita que elas sofram, por exemplo, com a ação do tempo.

Outra medida que algumas pessoas por vezes tomam em relação às peças que tenham pedraria é fazer o uso de esmalte para fixar vários tipos de pedras e não deixá-las escaparem das peças. No entanto, os especialistas são unânimes em dizer que os componentes do esmalte podem manchar a pedra e embaçar o metal. Para quem quiser correr o risco, passar esmalte transparente só em bijuterias menos sofisticadas e com pedras bem pequenas. Mesmo assim, a recomendação é não fazer uso de esmalte.

Outro cuidado no que se refere a tentar sanar algum tipo de avaria em bijus que contenham pedras é não fazer o uso de cola comum ou supercola para a fixação das pedrarias. É importante colar e reparar a peça, mas isto tem de ser feito com cola especial para bijouterias. Este tipo de cola é encontrado em lojas que comercializam material para montagem de bijouterias.

um alerta é quanto ao local onde será usada a buiju. Bijus e praia não combinam definitivamente.  A água do mar tem sal e iodo, que mancham e descolorem a peça. O metal começa a perder o banho dourado ou prateado e a clarear. Logo depois, preteja. E se for de ferro, vai enferrujar e estourar o banho. O mesmo alerta vale para piscina. A água da piscina tem cloro, que ao entrar em contato com o metal também pode clareá-lo e manchá-lo.

Também é importante salientar que é preciso tomar cuidado com as bijus que ficam em áreas de muito atrito, como entre os dedos. Atividades muito intensas, como lavar a louça não permitem o uso de anéis.  Além disso, produtos de limpeza também podem danificar as peças. Até mesmo o contato da água com a bijuteria deve ser evitado, pois as bijus têm tendência à oxidação.

 


Combinando-Joias-Com-Bijuterias

Joias e bijuterias são peças que apaixonam à primeira vista, qualquer mulher, de qualquer cultura e independente de sua classe social. No entanto, sem o devido cuidado tais peças podem ser combinadas com afinco demais, o que pode resultar num visual moderno, mas também pesar a produção. O truque é escolher apenas uma para ser o ponto focal do look. Quem quer um colar grande, por exemplo, pode combinar com brincos pequenos. Se a ideia é utilizar anéis grandes, use com pulseiras discretas. A ideia é aprender como equilibrar o uso das peças.

Antes de fazer o uso das peças, quer sejam joias ou bijus, é muito importante decidir por exibir vários acessórios juntos, ou apenas ressaltar um e outro.  Isto porque a ideia para que o equilíbrio no uso das bijus e joias seja encontrado é fazer o uso das peças da maneira mais afastada possível. Isto significa dizer que, se usar um  maxi colar no pescoço, depois use uma pulseira no braço, um brinco pequeno e nada mais.

A escolha das peças também deve levar em conta o estilo de cada pessoa. Não vela sair usando aquele colar lindo que a atriz da novela usa, porque nem sempre aquela peça combinará com o seu estilo. Ainda é preciso lembrar que a questão do tipo físico também deve influenciar na escolha de cada peça. Mulheres grandes devem investir em maxi peças. Desde a escolha dos brincos, passando pelos colares, e anéis.

Já as mais mignon, podem usar as maxi peças, no entanto, devem dar preferência para o uso ou de brincos, ou de colares, ou de anéis. Caso usem as maxi peças em todo o corpo, podem transmitir a sensação de que ficaram mais “achatadas”, enfeitadas em demasia.

Outra dica muito importante é quanto à mistura de materiais de joias e bijus. Antigamente, a regra era não fazer a mistura de ouro, prata, bronze, platina. Muito menos, devia-se, fazer a mistura de materiais mais alternativos, como madeira, tecido e massa. Isto não é mais uma regra. Na verdade, hoje, no universo da moda, passou a ser uma exceção. Quanto mais for a mistura e as composições, principalmente dependendo do estilo da mulher, mais bonito, autêntico e permitido.

 

Ainda assim é importante salientar que é escolher peças que tenham acabamento ou design semelhante ajuda na hora de não cometer nenhuma gafe ou exagero.

 

Bijuteria-Com-Manter

Sabe aquele par de brincos que você adora, mas que não para de ganhar pontinhos pretos de tanto ser usado? A causa pode não ser o tempo de vida que os brincos quem, como muitos podem imaginar, mas sim a forma que eles são armazenados ou limpos.

Armazenar brincos, colares, anéis e pulseiras de metal do jeito certo e tomar certos cuidados na hora de usá-los são atitudes que fazem toda a diferença na preservação da bijuteria. Não só isso é essencial para prolongar a vida útil do material, como também evita que a peça escureça ou enferruje. Além disso, cuidados corretos ainda garantem que o brilho e cor originais do acessório permaneçam intactos por muito mais tempo.

O problema da bijuteria não está propriamente na qualidade do material ou do preço que se paga pela peça. As bijuterias costumam ser realmente mais frágeis do que uma joia. Por isso, os cuidados que devem ser tidos com as amadas bijus deve ser igual se não maior do que o que seria feito para armazenar ou limpar uma joia.

Para evitar que elas escureçam, por exemplo, é importante fazer um armazenamento adequado das bijuterias. Elas devem ser guardadas em caixas com forração de veludo, de preferência escuro. Também é fundamental que elas sejam organizadas separadamente, em compartimentos em caixas com divisórias internas, saquinhos de veludo ou flanela, ou em todo caso, caixas que tenham sacolinhas plásticas.

Este tipo de procedimento tem uma lógica: as bijuterias oxidam em contato com umidade. Quanto mais expostas a locais úmidos, mas são as chances daquele anel que você adora, ou daquele colar que ganhou no aniversário ficarem totalmente pretejados. É por isso, também, que não se deve tomar banho usando as bijuterias. O contato com água, de maneira geral, danifica o banho ou acabamento da peça.

Se as bijuterias forem feitas de sementes ou outras matérias-primas naturais, os cuidados deverão ser redobrados. Jamais vá ao cabelereiro, por exemplo, e lave os cabelos usando brincos ou colares que forem feitos com sementes, madeira e similares. Em contato com a água estes materiais sofrem um “inchaço”, acumulam água e podem até mesmo a vir se desmanchar. O mais comum é apresentarem descoloração, descamação e esfarelamento.

Também não use anéis para fazer limpeza. O material do anel em contato com certos princípios ativos encontrados nos materiais de limpeza promovem oxidação em especial em folheados e prataria. Elas ficarão totalmente escuras.

 

Aliança-Meia-Cana

As alianças são joias clássicas e que estão ligadas diretamente a um dos eventos sociais de maior importância na história do homem – o casamento. Dos modelos mais clássicos aos mais tradicionais, as alianças são peças que dentro da indústria joalheira contam hoje com processos fabricação que envolve alta tecnologia. São diversos os equipamentos usados na confecção de alianças que ajudam a acelerar o processo de produção, bem como a moldar  novos modelos. Tudo com alta segurança para garantir a durabilidade e qualidade das peças. Além disso, tudo é pensado para incorporar aos modelos já existentes no mercado, novas texturas, modelos e desenhos.

No entanto, mesmo diante de tanta produção industrial, há pessoas que gostam mais dos modelos que ainda são fabricados por meio dos processos artesanais. Há ainda, portanto, muitos ourives que vivem exclusivamente da fabricação de alianças artesanais.

O modelo meia cana – aquele que é curvo na parte externa do dedo e plano na parte interna – costuma ser um dos modelos mais solicitados pelos clientes. Para o processo artesanal desse tipo de aliança, são necessários, por exemplo, os seguintes materiais:

1- Fio quadrado de prata;

2- Solda para prata;
3- Limas para metal;

4- Arco de serra e serra para metal;
5- Martelo de silicone;
6- Pau de Medida;
7- Tribolé redondo;
8- Massa de polimento para metais.

O fio quadrado passa por um equipamento chamado laminador elétrico. O fio será cortado com a serra na medida necessária para fazer a aliança. Essa medida é obtida através de um cálculo muito simples: 40 (número fixo) + número do dedo. Nesse caso vale imaginar o número de dedo sendo 19, então a conta fica: 40 + 19 = 59 mm. Tudo seguindo as normas técnicas da ABNT.

Em seguida, o fio meia cana segue para o aro da aliança para dar a forma redonda usando um tribolé e um martelo de silicone. O tribolé é uma ferramenta utilizada na confecção de anéis. O martelo é de silicone para não “machucar” a superfície do metal quando martelar. O metal é soldado e nesse processo oxida. Ele será polido somente na última etapa da produção.

Depois disso, a aliança precisa ser medida. Há uma verificação que deve ser precisa para que não prejudique a sua revenda, ou tenha de ser realizado algum tipo de ajuste. As alianças são passadas em polias para o acabamento final. Vale lembrar que este é o método para a produção de uma aliança sem relevo, bem simples mesmo.

 

Acessórios-de-Joias-na-Moda

As joias embelezam as mulheres e homens de todos os cantos do mundo. Elas já são produzidas desde que o homem não se deu por vencido pelo meio e passou a desenvolver peças para o uso cotidiano e, também, para o seu uso particular. Por isso, quando se trata também da questão de produção de joias, é importante aliar a beleza, a moda, mas também  a questão da sustentabilidade.

À primeira vista, é bom percebermos que as joias, assim como qualquer outra atividade do homem, causam impacto ambiental, social e também econômico. É importante que as peças que estiverem na moda, e fizerem parte desta ou daquela coleção de artistas importantes, tenham sido fabricadas de maneira que não poluam o meio ambiente. A recomendação é verificar se, para produzir tais peças, não foram deixados resíduos na água – caso tenham sido deixados, se a água foi de alguma maneira tratada; se não há desperdício de material, se há material de reuso e assim por diante.

Não se trata de uma postura anticomercial, muito pelo contrário. É valorizando cada vez mais a fabricação de joias cujos fabricantes tenham a responsabilidade com o meio ambiente, assim como o respeito com os seus consumidores, os quais também estão cada vez mais preocupados em consumir peças que não sejam produtoras de grandes resíduos.

É preciso ter consciência dos processos e práticas, bem como de suas consequências no meio ambiente. Isto é necessário para que sejam pensadas e implementadas soluções condizentes com a sua realidade produtiva e de mercado.

Nesse sentido, também é fundamental tanto para o fabricante quanto para o consumidor, fornecer cada vez mais as certificações das joias produzidas. Vale sempre lembrar que joias verdadeiras possuem certificados que valem internacionalmente.

Mas, vale aqui uma notação: perceba os relatórios registram todas as ações que a empresa instituiu e testou ao longo do ano em sua busca por ser sustentável, trata-se de um balanço público e transparente, pois os relatórios devem mostrar o que deu e o que não deu certo.

Tais relatórios que são feitos para marcarem a produção de joias registram a autoavaliação da empresa e expõem isso para outros poderem não só saber quais ações funcionam. No entanto, como podem melhorar em suas respectivas empresas, problemas que são compartilhados por todos na rede criativa – produtiva de gemas, joias e bijuterias?

Portanto, faça a sua parte: exija as documentações necessárias antes de fazer qualquer compra.

 

Anel-Folheado

O universo de joias e bijuterias é um dos mais fascinantes e que encanta pessoas em todo o mundo, sejam elas de qualquer classe social e cultura. No entanto, nem todas possuem poder aquisitivo para adquirir peças tão raras e consequentemente tão caras. Por isso que os famosos “folheados” foram confeccionados, para possibilitar que as mulheres possuam acessórios tão belos e elegantes como verdadeiras joias, só que a um preço muito mais acessível.

Mesmo com a possibilidade de fazer a aquisição de peças folheadas, há muita dúvida acerca da definição sobre o que é uma peça com essa nomenclatura. Peças como anéis folheados são, para seu entendimento e acerto na hora de fazer a escolha e compra, são modelos de acessórios são conhecidos como bijuterias ou semijoias.  Estas peças podem ser encontradas com pequeno banho em ouro, ou em prata, e ambas possuem alta qualidade.

Não é apenas isto. Muitas delas apresentam as características das joias verdadeiras e as vezes até passam como tais. Como o queridinho  das mulheres no universo dos acessórios são os anéis, muitos são os modelos  elaborados apenas com a folhagem do ouro, e estes são muito procurados por possuírem todo o brilho e a beleza das verdadeiras peças raras que somente são encontradas em joalherias.

Quem não abe mão de ter um anel folheado, ou vários, que é o caso mais costumeiro entre as mulheres,  deve também aprender a não somente usar este tipo de biju, mas também aprender como se deve cuidar de maneira adequada de sua peça, para que ela tenha maior durabilidade.

Basicamente, cuidar de um anel, ou qualquer outra peça que seja folheada, não requer lá grandes cuidados para que eles se mantenham brilhantes e bonitos, com a mesma aparência de quando estavam nas prateleiras podem ser listados: evitar usar os anéis quando estiver manuseando produtos químicos (eles costumam reagir e escurecer o anel), retirar os anéis sempre que for tomar banho, evite usar as bijuterias em praias. Também por indicação dos próprios fabricantes desse tipo de bijuteria ou semijoia, é  não usar cremes hidratantes nas mãos quando estiver usando os seus queridos anéis.

Estes cuidados fazem a maior diferença na conservação das peças, pois ajudam a manter a qualidade e o brilho dos anéis, fazendo com que eles durem muito mais tempo. Os anéis folheados a ouro provam que não é preciso desembolsar fortunas para adquirir peças de qualidade e elegantes e sofisticadas, e seguinte as instruções de maneira correta os anéis possuirão uma durabilidade muito maior e irão compor o seu visual por muito mais tempo.

 

Bela-Pulseira-de-Pérolas

Para os amantes de joias, a pérola é considerada uma das mais exuberantes gemas que podem ser usadas para a confecção de uma peça. Entre os joalheiros, ela é considerada a rainha da joalheria. Que ela é tudo isto – e mais um pouco – nós já sabemos. No entanto, você sabe por que razão a pérola é tão importante no munda da fabricação de joias?

Essa gema encanta a humanidade há séculos e séculos. O primeiro atributo de uma pérola que a leva ser tão venerada é o fato de ela já nascer pronta. Nasce pronta, não precisa de qualquer tratamento ou lapidação; surge da reação à invasão, o molusco secreta nácar sobre algo que o incomoda, gerando uma das grandes belezas da natureza; é produzida por um ser vivo, tem um tempo de vida, pode “morrer” se não for bem tratada exige carinho; encontrada em variadas cores, formatos, tamanhos e preços. Agrada a todos os gostos.

Desde o seu descobrimento, várias foram as celebridades ao longo da história que passaram a fazer o uso das pérolas. São nomes que vão desde Cleópatra até a Rainha Elizabeth.

O cultivo da pérola, portanto, passou a interessar mais profundamente todos os joalheiros – que nem eram chamados assim ainda – que viram na gema a possibilidade de confeccionar joias não apenas de valor agregado, como também de durabilidade infinita. São diversos tipos de peças que podem ser confeccionadas com a pérola. Colares, pingentes, anéis, brincos. Não importa qual é o tipo, mas toda peça acaba por se tornar uma obra de arte.

Além disso, as pérolas podem ser facilmente combinadas com diversos tipos de metais – vale lembrar que o metal é a base essencial na elaboração de uma joia ou bijuteria. Não importante se é ouro, platina, prata. Combinadas, transformam uma simples peça em trabalho artístico.

Ainda é preciso considerar que o valor de cada pérola é, de fato, único. Cada pérola é única justamente porque apresenta um desenho diferente, uma irregularidade distinta da outra. Também é precisa lembrar que o mesmo pode ser apreciado no que concerne à coloração de cada uma delas – há uma variação de cor que vai desde a coloração madrepérola seguindo ao rosado e chegando até o negro. Esta última coloração é vista como uma das mais nobres, de maior valor. Isto porque sua produção é rara, assim como há certa dificuldade em seu cultivo.

 

Anel-Com-Lindos-Desenhos

Joias religiosas são objetos que, por meio de seus desenhos e simbologias, ajudam a expressar a fé de determinadas religiões. Em geral, o que se conhece muito sobre joias religiosas são os escapulários, crucifixos, medalhinhas de santos e rosários. São peças que, por sua vez, costumam ser usadas tanto por homens quanto mulheres, que, dessa maneira, desejam expressar visualmente a suas fés.

O fato de ser um símbolo religioso, no entanto, não significa que ele deva estar sempre atrelado a formatos tradicionais. O designer deve sim inovar nas formas, cores e texturas desses símbolos, que não deixam de ter a sua “aura” por conta disso. Criar e utilizar tendências de moda, de acordo com o público, pode fazer com que seu cliente se torne fiel e compre mais variáveis da mesma peça com referências parecidas – várias medalhas de Nossa Senhora com formatos e materiais diferentes, por exemplo.

Há uma linha de design de joias que aponta para uma chamada de “vulgarização das peças religiosas”. Mas não ache que a palavra “vulgarização” está em seu sentido mais amplamente aplicado. Trata-se de retirar de um contexto determinadas peças, como é o caso dos modelos diversos de crucifixos e empregá-los unicamente como substrato da moda. Em outras palavras, usar para decorar e não demarcar a fé religiosa. Os crucifixos são largamente empregados em tendências de moda que remetiam desde o universo do rock e do gótico como um grupo urbano e até o pop, como era muito comum ver no visual da cantora Madonna.

Por isso, é sempre bom lembrar que essas joias são empregadas muitas vezes para representar um estilo, e não especificamente uma crença nesta ou naquela religião.

Não apenas os símbolos judaico-cristãos precisam ser contemplados. Outras formas de fé podem agradar outros públicos e dar ainda mais inspiração – que tal a beleza das religiões afro-brasileiras? Muitas vezes essas joias religiosas não são tratadas como necessariamente religião e reverência, mas como amuletos da sorte, então, é uma referência importante a se considerar.

O cuidado em fazer joias religiosas – cristãs ou não – é ter cuidado em tratar símbolos com respeito e não cometer gafes. Daí, muita pesquisa para desenvolver essas peças! Mesmo se tratando de design, em que queremos inovar, nos símbolos religiosos pode haver algumas regras de representação.

Então, deve-se, antes de mais nada, tomar um certo cuidado ao fazer a escolha por um modelo de joia religiosa, afinal, ninguém quer agredir a religião de ninguém, não é verdade?

 

Bijuterias-Comprar

Muito as mulheres não sabem como usar cores, roupas, maquiagens e bijuterias. Isto não é mito, afetamento, desrespeito. É fato que estas mesmas costumam confirmar em seu dia a dia, no próprio vestuário ou entre as amigas. De fato, é importante dar aquela incrementada de vez em quando, em especial em se tratando de certas ocasiões como eventos noturnas,  ou em festas mais sofisticadas. No entanto, não é bacana manter determinados exageros sem precedentes no dia a dia, ou mesmo para ir ao trabalho. É deselegante.

Além disso, vale sempre lembrar a máxima de que a imagem diz muito sobre uma pessoa. E na hora de fazer a composição do visual esta deve ser uma premissa máxima. Lembrar-se de que “menos é sempre mais” pode ajudar a manter o equilíbrio entre a roupa e os acessórios, que sempre são muito bem vindos.

Há algumas dicas preciosas que podem ajudar aquelas que apresentam certa dificuldade em combinar peças, roupas e ocasião. Uma boa bijuteria poderá perder o tom de beleza e de qualidade se não for combinada de maneira equilibrada com o restante da composição do look.

A regra é sempre clara, e costuma até cansar algumas pessoas: independentemente se seu estilo é mais ousado ou discreto, o equilíbrio entre os acessórios é essencial.

Por exemplo, mulheres de punho largo não devem usar várias pulseiras juntas, principalmente se estas forem justas, assim como pessoas com pescoço curto não devem investir em maxi colares por cima da camisa fechada, como muitas fazem, nem usar gargantilhas muito justas.

Outra dica bastante valiosa, e que muitas não temem não fazer para não errar é apostar no uso de peças fabricadas em metais diferentes. Usar bijuterias pratas, douradas e rosa ao mesmo tempo é permitido, e fica bem interessante.  Foi-se o tempo em que não se combinava dourado com outros tons metálicos. O mesmo vale para o uso de bijus feitas em outros materiais como madeira, massa e até mesmo tecido.

Outra questão é quanto ao uso de anéis com pedras de várias tonalidades e qualidades. As pedras empregadas em anéis, colares e brincos não precisam ser da mesma cor, muito menos da mesma forma. O importante é que combinem.

Agora, nunca use super brincos e super colares juntos. O efeito não é o de alongar o pescoço, pelo contrário, aumenta ainda mais a sensação de pescoço pequeno, mesmo para mulheres que sejam mais alongadas nessa região.

Gostou? Então, aposte no uso de bijus, mas sempre com equilíbrio e parcimônia.

 

Anel-Com-Pedra-Grande-na-Moda

Acessórios costumam trazer muita personalidade e mais beleza à composição de todos os visuais. E não seria por menos, esquecer-se das poderosas bijuterias. Elas ajudam a dar uma vida muito mais significativa ao visual, quer seja de dia, quer seja à noite. O que poucos sabem, é que a simples escolha de uma joia, semijoia ou bijuteria pode deixar o visual tão poderoso quanto uma peça de roupa glamorosa.

É sempre importante lembrar que joias, semijoias e bijus são símbolos de riqueza que acompanham as mulheres há séculos e não só enfeitam como também expressam poder e feminilidade. Uma composição sem qualquer que seja uma dessas pecinhas pode comprometer toda a intenção de sair arrasando por aí.

Por isso, é sempre bom lembra que o visual fica muito mais interessante quando complementado com acessórios, sem contar o poder que eles têm de transformar o visual. Uma regata branca com jeans durante o dia pode ser transformado num luxuoso visual de noite apenas brincando com joias, semijoias e as bijuterias.

Um dos mais antigos objetos dentro desse universo é o anel. Usados durante toda a antiguidade, não só como objeto de adorno mais também como selo, símbolo de poder, classe social ou autoridade, ou ainda amuleto, o anel podia às vezes servir a todos esses propósitos ao mesmo tempo. No dia de hoje, o anel permanece entre os acessórios mais queridos, mas agora em uma variedade de modelos muito maior, existe até mesmo anéis de mãos, falange e por aí vai.

Uma das tendências da moda é o uso de anéis de falange. Eles costumam inclusive ser chamados de “queridinhos” das  “it girls”. No próximo verão, eles continuarão em alta, fazendo a “falange” da mulherada.

Uma outra novidade é a chamada “pulseira de mão” ou “anel de mão”. Com design dos mais variados, são como “pulseiras” ou “anéis” de mão mesmo. Elas foram criadas para serem usadas bem na altura da palma da mão. E, estes acessórios passaram a ser consumidos por famosas do mundo inteiro, dessa maneira ganharam as ruas em composições de fashionistas assim como ficaram mais conhecidos por terem sido usados por blogueiras de moda.

No entanto, o que talvez não chegue a ser grande novidade, mas parece ser a grande aposta do verão são os anéis múltiplos. Trata-se de uma tendência de usar anéis iguais em vários dedos (ou todos) das mãos. Vale apostar.